arquivo

Arquivo da tag: neoliberal

Texto originalmente publicado no blog do projeto Enterprise U, que congrega as reivindicações do atual movimento de greve na University of Sydney, Austrália, desde março deste ano. Clique aqui para acessar o texto no original.

Click here to access the original version of the text below.

The recent wave of protest that I have witnessed – and in a certain way participated in – at the University of Sydney (USyd) during my six month research visit to Australia reminds me of a series of debates on the political scene of the Brazilian higher education system over the last few years, particularly at the University of São Paulo (USP) where I have been enrolled since 2007. In spite of each country’s particularities, many of the challenges are similar. The necessity of international solidarity in the struggle for a public, free and democratic education for all becomes evident.

In many respects, USyd and USP are similar, and amenable to superlatives: the oldest, the largest and among the wealthiest. Yet Australian universities have more tradition, many founded during the colonial era. USP, on the other hand, was founded 79 years ago as a project of São Paulo’s elite. Despite being the largest in Brazil, with around 80,000 students, USP is only one university in an educational system still under construction and expansion.

Higher Education in Brazil: 75% of the students are enrolled in private colleges.

Higher Education in Brazil: 75% of the students are enrolled in private colleges.

The fact that until 1930 about 70% of the Brazilian population was illiterate is an indication of how recent the education system in Brazil is. Our higher education system only began to massively incorporate students in the 1990s when the nation started to breathe after 21 years of military dictatorship. During Lula’s Labor government (2003-2010), 14 new federal universities were constructed. In the last decade, Brazil has gone from three to seven million young people enrolled in higher education.

However, this portrait is very far from ideal. Since the beginning, it was the private colleges which grew at much higher rates and were responsible for the incorporation of young people at this educational level. Now, they correspond to 75% of the enrolments in higher education. The Brazilian higher education system can be described by the following features: it is composed of mostly private, user-pays, profit-making, evening colleges located on multiple campuses and not accredited as universities. Every year, thousands of places are offered at small faculties (which basically work like ‘diploma producers’), while thousands of other places are withdrawn by the Ministry of Education for not meeting the minimum standards of quality.

Public universities, in turn, do not keep pace with enrolment rates for our population. Despite having higher quality and totally free education, as well as good social assistance for students, the competition for one of their places gives the public universities, which supposedly should assist the society as a whole, an elite character. This context produces an interesting and complicated phenomenon in the Brazilian education system: middle- and upper-class students, who can pay for private schools in primary and secondary education, take the public university places, while those from working-class backgrounds, who study in public schools (with all their severe educational problems), attend the private colleges. This is a striking example of the reproduction of social inequalities.

São Paulo: Riot police try to break up a student protest at USP, in 2009.

São Paulo: Riot police try to break up a student protest at USP, in 2009.

Inside the public universities, the scenario is not immune from criticism. An expansion in the number of places sponsored by the Labor Party without an improvement in work conditions led to a three month strike in almost all of the federal universities (more than fifty). In USP, historically considered a centre of political and ideological resistance, the ostensive presence of the military police was permitted by the management for the first time a couple of years ago. While during the dictatorship the police were not permitted to enter the University, they have now become a permanent feature of campus security. Since 2009, we have witnessed two violent conflicts between police and students. This has happened in the context of several reforms – and resistance – undertaken in our universities in the attempt to construct a neoliberal agenda.

Brazilian public universities have not been privatized in a literal sense. However, processes of commodification in the Brazilian education system have been occurring gradually, in the face of weaker staff unions and a disorganized student movement. Participation of private companies in research funding, high investments in web-based teaching, pressure from large-scale assessments, and even threats to discontinue courses with ‘low economic impact’ are some of the common scenarios in the current educational debate. Even the right to free education, a right we are very proud of, has been questioned. Since the right-wing Fernando Henrique Cardoso government (FHC, 1995-2002), postgraduate programs in public institutions have been allowed to charge fees – this hasn’t happened yet due to internal resistance.

Brazil`s Supreme Court: approval of a black quotas policy in the universities.

Brazil`s Supreme Court: approval of a black quotas policy in the universities.

As I stated earlier, Brazilian education is still under construction and we do have reason to celebrate. The strength of the Black Movement succeeded in implementing, for the first time, a policy of social and racial quotas nationally (in a country that, nowadays, can be considered black majority, though they are under-represented in higher educational levels). The number of students enrolled in higher education has never been so high, and political disputes around new bills have been promising in regard to, for instance, substantial increases in funding for schools and universities.

It is partly true that Brazil, and also Latin America, has a ‘democratic legacy’, as stated by the sociologist Michael Burawoy. This heritage, far from being fixed and guaranteed, is being maintained with hard efforts from social movements – unfortunately not as organized as the Chilean ones. More important is the currency of the notion of public education in the struggles and claims that comprise Brazilian society. It is the sense of the public good which drives Brazil’s heated debates in many distinct spheres, and is our main defense against neoliberal logic.

Besides the inspiring learning, my experience in Sydney is a reminder that our cause is global. In order to deal with these problems, education is indispensible, but it is not the only part of the process. As the Brazilian educator Paulo Freire used to affirm, ‘Education does not change the world. It changes the people, who will change the world’.

Estou há aproximadamente um mês na Austrália. Talvez seja cedo para refletir sobre meu estágio na University of Sydney, mas creio que algumas reflexões e observações podem ser extraídas desse período. Por conta de uma mania de brasileiro, tende-se a tratar a educação no exterior como muito superior à nossa, sobretudo em nível universitário. Isso é uma bobagem. Mas para fazer um debate sério, é importante analisar com mais profundidade o que significa estudar no exterior ou, no meu caso, na Austrália.

The Quadrangle, o prédio mais antigo da University of Sydney.

The Quadrangle, o prédio mais antigo da University of Sydney.

Saí da Universidade de São Paulo (USP) para cair na University of Sydney (UniSyd). Pode não parecer, mas existem muitas semelhanças entre elas. Ambas são públicas e ostentam inúmeros títulos superlativos: as maiores, as mais antigas e as mais ricas. A UniSyd congrega aproximadamente 50 mil estudantes e foi fundada em 1850, nos moldes das universidades britânicas como Oxford ou Cambridge. O primeiro edifício a ser erguido nesta universidade é o The Quadrangle, o qual remete, não só na sua arquitetura, ao período colonial.

Apesar de todas as características que colocam a UniSyd como uma universidade de ponta – a sua invejável infraestrutura, sua excelência na pesquisa, a qualidade do ensino e até sua reputação – não se pode perder de vista que essa universidade, assim como toda a Educação australiana, tem sofrido com inúmeras reformas neoliberais que foram iniciadas no país pelo Partido Trabalhista (Australian Labor Party) na década de 1980, com uma força superior às mudanças que vemos no cenário educacional brasileiro.

Explico: o pagamento de taxas de matrícula e mensalidades, que inexistiam num passado próximo, foi reintroduzido e pouco a pouco as universidades foram sendo, lato senso, privatizadas. O investimento federal no ensino superior caiu de 90% para 50% nas últimas décadas. E um sistema universitário nacional, que até os anos 70 era uniforme em qualidade e recursos, passou a ser declaradamente desigual, quando foi cristalizado o chamado Group of Eight – uma espécie de bloco das oito universidades mais importantes que, juntas, formaram um lobby para captar maiores benefícios das reformas neoliberais.

Prédio da Faculty of Education and Social Work.

Prédio da Faculty of Education and Social Work.

O ensino superior, em especial no tocante aos estudantes internacionais, tornou-se um intenso business e as universidades se transformaram em verdadeiras profit-making companies. Os custos variam entre os diferentes cursos, mas só para se ter uma ideia: na minha faculdade, Faculty of Education and Social Work, custa entre cinco a seis vezes mais para um estudante internacional se comparada a um australiano. Em termos numéricos, o custo é de mais ou menos AU$ 30 mil por ano (equivalente a mais de R$ 60 mil).

[Antes que pensem que sou rico, é bom esclarecer! Sabendo disso, minha orientadora me incluiu como um visiting scholar (pesquisador visitante), para evitar as taxas. Em outras palavras, não sou um estudante regular da UniSyd. Além disso, consegui uma bolsa que arca com praticamente todos os curtos da viagem. Ufa!]

Quando compareci às boas vindas da universidade aos estudantes estrangeiros, percebi em que pé está esse negócio. O número de alunos vindo de diferentes regiões do globo é irrisório. A grande maioria, diria que aproximadamente uns 80% a 90%, é da China. Há, de fato, acordos entre o governo chinês e os administradores das universidades, o que resulta inclusive em disciplinas ministradas em chinês. É bem possível que um sistema de ensino superior saturado, em um país com a maior população mundial, tenha encontrado vazão em países como a Austrália.

Garota estudando nos arcos do The Quadrangle.

Garota estudando nos arcos do The Quadrangle.

A despeito disso, é válido ressaltar que, no passado, as universidades australianas ofereciam cursos gratuitamente para estudantes asiáticos, como forma de colaborar no desenvolvimento da região. De um curso gratuito passar a faturar AU$ 30 mil ao ano por estudante, torna-se patente quais são os parâmetros que balizam o ensino em nível universitário na Austrália.

Estudar uma universidade pública como essa, na Austrália, não é muito diferente, em termos de acesso, a estudar em uma USP: nos dois casos tem-se um ensino elitizado, cujo marketing reside na venda de um privilégio (CONNELL, 2013). Talvez o grande diferencial seja que a renda per capita australiana permita com que estudantes da extensa classe média sejam capazes de bancar seus estudos nesse sistema educacional altamente lucrativo.

Não há nada de mágico – com exceção da infra-estrutura e dos recursos humanos disponíveis para a realização de um bom trabalho, que são realmente impressionantes (refiro-me às bibliotecas, às tecnologias, à verba, ao acesso a periódicos, ao apoio à pesquisa) – em estudar em uma universidade australiana. A experiência universitária está para ser construída por cada estudante, a partir de suas escolhas, contatos, leituras etc.

Brennan MacCallum Building (só coloquei esta foto aqui por acho esse prédio lindo!)

Brennan MacCallum Building (só coloquei esta foto aqui por acho esse prédio lindo!)

As nossas ideias, os nossos docentes, as nossas produções, os nossos estudantes, não deixam em nada a desejar ao modelo de first world que tanto gostamos de venerar. E as disputas políticas em torno da Educação continuam as mesmas, com a diferença de que, em termos de princípios, nós ainda estamos melhor, porque ainda não deixamos as políticas neoliberais inundarem nossas universidades (pelo menos por ora não!).

Há outras diferenças que eu pretendo explorar em outros textos. Só escrevi este para deixar claro que não vou voltar para o Brasil como se eu estivesse vindo de um mundo à parte, e por sua vez superior. É possível extrair o máximo daqui e o máximo daí, sem deixar de valorizar e saber ponderar os dois lugares. Aguardo ansiosamente pelo que me espera nos próximos cinco meses!

Já faz algumas décadas que se discute o que seria uma “nova direita”. Católicos ortodoxos, militares golpistas, monarquistas ultrapassados… tudo isso é a “velha direita”, já meio careta, capenga e broxa. Do ponto de vista político, um fiasco. Esses, mesmo dando um golpe aqui ou acolá, não podiam ser considerados a “nova direita”; o título não lhes cabia. Passou-se adiante.

A presidenta Dilma e sua proximidade com Kátia Abreu (PSD), um dos maiores nomes entre os ruralistas: a “velha direita” articulada à “nova”.

Depois, com a crise dos anos 70, surgiu uma classe de capitalistas globais daquelas… Eram os tais “neoliberais”: privatizando empresas, flexibilizando direitos, contabilizando gestões. Esses se tornaram grandes candidatos a ocupar o cargo da “nova direita”. Mas, no fundo, eles nada mais eram do que os antigos liberais conservadores, só que ocupando as bolsas e não mais as fábricas. Pois, eles não eram tão “novos” assim.

Em seguida, falou-se do crescimento mundial do evangelismo como uma espécie de “neopentecostalismo” conservador. Eles foram ganhando os cristãos e as bancadas e se tornaram entraves a conquistas sociais no Brasil e em outros países. Multiplicaram-se como outrora fizeram as filiais do McDonalds. Mas, o que eram eles além de uma repaginação do fundamentalismo? Não, eles não podiam ser a “nova direita”.

Posteriormente, com a atual crise, veio à tona os “neonazistas”. Aparentemente mortos, com exceção de alguns maníacos por aí, eles criaram partidos e dominaram bairros, ganharam a Europa como um tabuleiro de War. A xenofobia aumentou e eles se orgulharam de mostrar a versão atualizada do “Heil Hitler”, além de suas inconfundíveis carecas. Mas, peraí, eles só se baseavam no passado. É claro que não podiam ser a “nova direita”!

A aliança política entre Haddad e Maluf, acompanhados por Lula: quando a ganância eleitoreira desconstrói programas e ideologias políticas.

A “nova direita”, portanto, não vai ser nada que é “neo”: neoliberal, neopentecostal, neofascista. Porque o “neo” é simplesmente um update do que já foi velho. O velho não pode ser o novo, obviamente! Assim, novamente me pergunto: quem é a “nova direita”?

Se é que podemos falar de uma “nova direita” no Brasil – a polêmica não é se é de direita, e sim se é nova –, ela é sem dúvida o PT e toda a corja da “antiga esquerda” que se sindicalizou, que se articulou a movimentos, que promoveu grandes greves (e comprometimentos maiores ainda) e que hoje está cumprindo à risca as agendas mais conservadoras, dignas dos melhores direitistas. A “velha direita” não precisa fazer nada, porque a “nova” já a superou. Hoje, os tucanos agradecem, o Maluf se gaba, o centrão se atiça, os empresários dão risada, os fundamentalistas se ajoelham, os ruralistas invejam: nunca a direita conseguiu ir tão longe sem ter que, antes, dar um golpe de estado.

Quando a postura “nova” de Dilma Roussef a faz ser elogiada e reverenciada nos meios da “velha direita”. Aqui, destaca-se que uma “ex-marxista” está à frente de uma máquina empresarial.

E por que estamos diante de uma “nova direita”, se ela está tão atolada de velhos vícios? Ela é “nova” porque, como ‘nunca antes na história desse país’, articulou a essa cartilha conservadora um discurso absolutamente modernizador, social, desenvolvimentista e, quando não, de “esquerda”. Entidades como MST, CUT, UNE, LGBT, feministas etc, foram sendo engolidos: viraram secretarias, poliram suas campanhas, ilustraram seus palanques, ganharam adesivos. Em retorno, poucos avanços na diversidade sexual, retrocessos na educação, nada de reforma agrária, ameaças às pautas das mulheres, entre outras.

Na prática, a “nova direita”, amiga de todas as (ou de pelo menos todas as maiores) forças dominantes e mesmo as contradominantes tem feito aquilo que nenhuma “velha direita” jamais conseguiu fazer: o progressivo desmonte de um Estado de direito com amplo consenso popular.

As dúvidas que permanecem são: Assistiremos de camarote a esse crescimento? Continuaremos a reiterar velhas escolhas por “falta de opção”? Permaneceremos dando nosso suor por um projeto de poder claramente conservador, para não dizer reacionário? Até que ponto vamos engolir que as decepções com nossos governantes são “casos isolados”? Por quanto mais vamos esperar o que não vem e nos contentaremos com o pouco que nos é dado? O fato é que a hegemonia nunca esteve tão à flor da pele e está na hora de refazer nossos caminhos e perspectivas.

As corporações são a forma dominante de organização econômica da sociedade contemporânea, sendo peças-chave para o atual grau de desenvolvimento capitalista. Apenas para se ter uma ideia das suas dimensões, existem 5,7 milhões de corporações nos Estados Unidos, segundo dados de 2005. Sabe-se que a participação das mulheres nesse meio é baixa, sobretudo se tomarmos os cargos de liderança. Baseado nos estudos de Raewyn Connell (2009), nos questionamos: as hierarquias de gênero, seja na vida política ou econômica, são fruto apenas de uma infeliz tradição de exclusão das mulheres? Ou seriam ativamente defendidas e construídas no mundo da atualidade?

Fato é que o mundo de que o capitalismo neoliberal fala é retoricamente neutro em termos de gênero. Explicitamente, o neoliberalismo – que na escala macro se expressa pela intensificação do capital transnacional e formação de mercados globais – diz muito pouco sobre gênero. Ele fala uma linguagem neutra de “mercados”, “indivíduos” e “escolhas”.

A linguagem pretensamente neutra em gênero da ideologia de mercado neoliberal beneficiando, repetidamente, um mesmo grupo (já conhecido) de homens.

“Mas o mundo no qual o neoliberalismo domina é ainda um mundo generificado”, explica Connell (2000, p. 51, tradução minha), “e o neoliberalismo tem uma política implícita de gênero. O ‘indivíduo’ da teoria neoliberal possui os atributos e interesses do homem empresário”. Na opinião da autora, o ataque que o neoliberalismo faz contra o estado do bem-estar social (para saber mais, leia aqui) tem como um dos efeitos a queda na posição das mulheres, assim como a desregulação dos mercados concentra o poder nas mãos de um pequeno grupo de homens.

A autora faz essas afirmações porque, para ela, a discriminação e exclusão baseada no gênero (e que também pode ser estendido à raça) não devem ser vistas como acidentais, o que poderia ser alterado com uma ou outra mudança de atitude. Gênero figura como um aspecto estrutural da vida corporativa, relacionado também a outras esferas da sociedade, e molda as definições de empregos, os significados de mérito e promoção, as técnicas administrativas, o marketing e muito mais.

O caminho para as mulheres, dentro do mundo corporativo, costuma ser sempre maior que o dos homens. Apesar do discurso, existem oposições estruturais com efeitos visíveis.

Há toda uma oposição estrutural à presença das mulheres nas corporações, caracterizada por um teto de vidro (glass ceiling, do inglês). E a perspectiva de mudança se resume a quê? Mudanças de atitude, como se uma solicitação para os empresários prestarem atenção na “diversidade” fosse suficiente para desmontar algo dessa estrutura. Políticas mais ousadas, como as cotas para grupos minoritários, são rapidamente barradas.

E os sindicatos, que historicamente enfrentam os avanços desse modo de produção? Essas organizações sofreram intensos ataques com o crescimento do neoliberalismo. Além disso, os sindicatos usualmente são liderados por homens e representam principalmente os interesses desses. Com frequência, as mulheres conseguem pouca voz dentro dos próprios sindicatos, fruto do estilo combativo das masculinidades de classes trabalhadoras (CONNELL, 2009), as quais, amparadas na ideologia marxista ortodoxa, geralmente não têm um olhar tão preciso para a questão de gênero.

Ex-presidente Lula em comício no ABC Paulista: mesmo em sindicatos, as masculinidades ofuscam a voz e visibilidade de mulheres.

Apesar da associação entre a expansão do neoliberalismo e a piora na situação social e econômica de mulheres, Connell (2005) destaca que a ideologia neoliberal “é inconsistente com o patriarcado tradicional” (p. 255, tradução minha), isso porque mesmo dentro dos partidos de direita pode haver tensões entre uma ala conservadora, moralista em termos sociais, com uma ala liberal, racionalista em termos econômicos. Aliás, a própria aliança entre o conservadorismo e o neoliberalismo está entre os mais belos paradoxos do capitalismo global.

Assim, temos um reforço dos privilégios masculinos (bem como de questões raciais, de classe e nação), reatualizando o sexismo em moldes supostamente neutros em gênero. Tudo isso sem que haja uma política de masculinidade explícita na forma de mobilização de homens. Trata-se apenas do funcionamento do próprio sistema.

A globalização econômica, as privatizações oriundas das reformas neoliberais, o domínio do capital especulativo e outros fenômenos das últimas décadas trouxeram mudanças que afetam, entre outras, as próprias relações humanas, incluindo as relações de gênero. Entender esses efeitos do estágio atual do capitalismo é um esforço necessário, embora não seja simples. Neste texto, pretendo me aprofundar nas pesquisas da australiana Raewyn Connell, autora que, nos últimos anos, tem se dedicado aos estudos de gênero no contexto da globalização e do neoliberalismo (para saber mais sobre este, clique aqui).

Em primeiro lugar, é importante questionarmos quem são as pessoas por trás desse sistema: aqueles que ocupam cargos de liderança, operando corporações, meios de comunicação e bancos. O primeiro impulso, sobretudo se adotarmos uma perspectiva marxista acrítica, seria classificá-los como os velhos burgueses de sempre: homens brancos, de países centrais, e tradicionais em todos os sentidos possíveis.

Imperador romano Marco Aurélio: não se pode entender as masculinidades hegemônicas como uma eterna conservação dos grupos dominantes do passado.

É verdade que as formas hegemônicas de masculinidade da modernidade derivaram, ao longo dos anos, do crescimento do capitalismo industrial e do imperialismo. Reforçavam-se padrões burgueses de masculinidades com pequenas variações globais. Eram masculinidades, de um modo geral, socialmente conservadoras, heterossexuais, nacionalistas, detentoras de autoridade social e com demarcações de gênero bem claras (CONNELL & WOOD, 2005).

Cabe a nós questionarmos, atualmente, se os homens das posições hegemônicas atuais conservam exatamente as mesmas características da classe dominante do passado, ou se sinalizam para mudanças. Afinal, os homens executivos apontam para a tradição ou para a modernidade?

Connell (2005) afirmará que parte do legado burguês historicamente construído é retida, enquanto outra parte se modifica. Para a autora, o neoliberalismo levou não só à reconstrução das masculinidades burguesas, como também a alterações maiores nas relações de gênero mundiais. Para muitos homens e mulheres, suas posições sociais e econômicas pioraram, haja vista o desmonte dos sindicatos e a piora do status feminino em todos os países no qual o neoliberalismo se instalou.

Quem são os homens que ocupam os cargos de liderança da atualidade? Como poderíamos descrevê-los: modernos ou conservadores?

Outros, entretanto, o capitalismo neoliberal muito beneficiou: os empresários (entrepreneur). A quantidade de dinheiro, assim como de poder, circulando pelos mercados desregulados é enorme. Se, ao falarmos em pessoas, estamos nos referindo ao conjunto da sociedade, quando escrevemos sobre os empresários, temos nome e endereço: ainda estamos falando de homens brancos, sobretudo de países centrais (Europa, EUA e China), fonte de uma boa fatia das maiores redes e corporações do mundo.

Porém, os homens dominantes do mundo globalizado já não compartilham todas as características com os burgueses do passado. Hoje, aspectos religiosos, nacionalistas ou heterossexuais já não entram tanto na equação. Da mesma forma, não se tratam de empresários com grandes comprometimentos pessoais, como o casamento. Seu maior compromisso, relata Connell (2000), é com o seu próprio enriquecimento.

Raewyn Connell (1944-), professora australiana expoente nos estudos sobre masculinidades: hoje, seu maior interesse reside sobre globalização, neoliberalismo e gênero.

Curioso é notar a associação entre as corporações e o mundo do esporte e da estética. Os homens à frente das grandes fatias de mercado não são atletas ou modelos, mas usualmente se associam a este mercado, visando à promoção do seu negócio. O patrocínio estampado em cada metro quadrado do esporte televisionado é um exemplo claro. A indústria da moda e dos esportes, por sua vez, reforça estereótipos e padrões de beleza sobre mulheres e homens do mundo inteiro, financiados pelas grandes corporações.

A todo esse padrão descrito de masculinidade hegemônica atual, Connell chamou de masculinidade de negócios transnacionais.
Para ela, trata-se de um exemplo de como as tendências políticas e econômicas levam à reconfiguração das relações sociais, produzindo modelos ou padrões de novos homens ou mulheres.

Não significa, entretanto, que essa repaginação sempre aponte para melhorias: muitas vezes, é apenas a atualização de uma relação opressora, a qual mantém a concentração de renda e as desigualdades. De fato, ainda que os “novos homens” sejam mais progressistas, a estrutura que os mantém no poder deve continuar sendo alvo de lutas, enquanto os avanços reais para todas e todos continuarem sendo nossa meta.

A recente e aguda crise européia tem levantado algumas questões a respeito do papel do Estado sobre a economia. As tais “medidas de austeridade” remontam às políticas neoliberais que tanto oneraram o mundo, principalmente em termos sociais, nas últimas décadas. Neste texto, vamos nos atentar às origens do neoliberalismo, para podermos entender melhor seus efeitos e resultados na atualidade. Para tanto, nos basearemos no texto Balanço do Neoliberalismo, de Perry Anderson (1995).

O liberalismo clássico caminhou, aos trancos e barrancos, até o início do século passado, quando faliu junto com a quebra da bolsa de Nova York, culminando na crise de 1929. A partir de então, a política mundial passou a ser orientada pelo keynesianismo; um exemplo é o pacote do New Deal, do presidente estadunidense Franklin Roosevelt.

Friedrich Hayek (1899-1992): criticando o intervencionismo estatal e o Estado de bem-estar social, tornou-se um dos idealizadores do neoliberalismo.

Em 1944, é lançada a obra – considerada o “manifesto do neoliberalismo” – O caminho da servidão, do austríaco Friedrich Hayek. Fazendo uma analogia entre a social-democracia inglesa e o nazismo alemão, Hayek defendia que limitações aos mecanismos de mercado por parte do Estado levavam ao cerceamento de liberdades, não só econômicas como também políticas.

Três anos depois, Hayek convocou uma reunião em Mont Pèlerin (Suíça), na qual participaram intelectuais contrários ao Estado de bem-estar europeu e também os inimigos do New Deal, entre eles o importante economista Milton Friedman. Da reunião, fundou-se a Sociedade de Mont Pèlerin, com o objetivo de difundir ideias que preparassem para um novo capitalismo, duro e livre de regras para o futuro. De início, os ideais neoliberais tiveram pouca repercussão, pois o capitalismo mundial vivia uma fase de auge sem precedentes, entre as décadas de 50 e 60. Foi a partir da Crise do Petróleo, em 1973, que o jogo virou.

Milton Friedman (1912-2006): um dos grandes nomes do neoliberalismo, assessorou as reformas neoliberais do Chile e Estados Unidos.

A cartilha neoliberal, pautada economicamente pela redução da participação do Estado, aumento do livre mercado e da concorrência, e socialmente pelo corte de gastos sociais, repressão às greves e sindicatos, aumento da desigualdade e do desemprego (entendidos como valores imprescindíveis), passou a ser aplicada no final dos anos 70, quando os governos europeus deixaram de tentar remediar a crise econômica por remédios keynesianos.

Os governos pioneiros foram, na Europa, Margaret Thatcher (Inglaterra), Helmut Khol (Alemanha) e Poul Schlüter (Dinamarca). Nas Américas, Augusto Pinochet (Chile) e Ronald Reagan (EUA). Em contextos de Guerra Fria, na qual o neoliberalismo trouxe também uma versão intransigente de anticomunismo, “a onda de direitização desses anos tinha um fundo político para além da crise econômica do período.” (ANDERSON, 1995, p. 11).

O que fizeram, na prática, esses governos neoliberais? O exemplo de Thatcher, além de pioneiro, é absolutamente didático. A chefa de Estado britânica contraiu a emissão monetária, elevou a taxa de juros, baixou os impostos sobre os mais ricos, aboliu controles sobre os fluxos financeiros, criou altos índices de desemprego, reprimiu greves trabalhistas, impôs uma nova legislação anti-sindical e cortou gastos sociais. Ainda, lançou um amplo programa de privatização, que começou com a habitação pública e passou ao aço, eletricidade, petróleo, gás e água.

A repressão às greves foi uma grande marca do governo inglês de Margaret Thatcher (1979-1990), que enfrentou ostensivamente o sindicato dos mineiros.

Nos Estados Unidos, onde não havia um Estado de bem-estar nos moldes europeus, Reagan (assessorado por Friedman) tomou como prioridade a competição com a União Soviética. Apesar de ter reduzido impostos aos ricos e reprimido a única greve série de sua gestão, o presidente não seguiu a contenção do orçamento e aumentou intensamente os gastos militares, criando um déficit público sem precedentes na história norte-americana.

Nos demais governos de direita da Europa, o neoliberalismo foi menos marcado pelos deliberados cortes de gastos sociais ou enfrentamentos aos sindicatos e mais pela disciplina orçamentária e reformas fiscais. Outros governos da Europa, como o francês (Miterrand), espanhol (González), português (Soares) e grego (Papandreou), procuraram seguir uma linha mais progressista. A França, apesar de num primeiro momento ter mantido um projeto social-democrata, entre 1982-83 teve de reorientar sua política pelo neoliberalismo.

Margaret Thatcher (1925-) e Ronald Reagan (1911-2004), à frente da Inglaterra e EUA (respectivamente), governaram de modo conservador pautados pela cartilha neoliberal.

Em terras mais remotas, na Austrália e Nova Zelândia o neoliberalismo tomou proporções dramáticas. Neste último, o desmonte do Estado de bem-estar foi ainda mais completo e feroz que o realizado por Thatcher na Inglaterra. Na América Latina, tem-se o exemplo de Pinochet (também assessorado por Friedman), cujas políticas foram rapidamente mencionadas em outro texto.

Além dessa distribuição global, o neoliberalismo tornou-se hegemônico enquanto um projeto político. Uma ideologia que se instalou na política mundial, cujas práticas eram aplicadas até pelos governos auto-proclamados de esquerda. Porém, nem todos os países aderiram completamente ao neoliberalismo: Suécia e Áustria, mesmo no final dos anos 1980, ainda resistiam, assim como o Japão.

No texto seguinte, vamos discutir os efeitos que o neoliberalismo teve no mundo. Quais foram os resultados dessa política? A ideologia neoliberal conseguiu resolver os problemas que se propôs a resolver? Que outros efeitos surtiram? Acompanhe no próximo texto!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 583 outros seguidores