Papel sexual: é hora de superar esse conceito

No texto passado, apresentei e discuti o conceito de “papel sexual”, bastante utilizado pela sociologia clássica para designar um suposto “papel masculino” e um “papel feminino” existentes na nossa sociedade. Deixei sugerido que o conceito apresentava problemas. Neste texto, pretendo apresentá-los sucintamente.

Seria um desacato dizer que o “papel” das mulheres negras é servir de empregadas domésticas à sociedade, porque as relações de poder estão claras nessa ocupação, derrubando a noção de “papel”.

É fato que a dimensão do poder sempre esteve excluída da noção de “papéis sexuais”, como nos recorda a socióloga australiana Raewyn Connell (1995), uma das principais críticas à utilização desse conceito. Não se fala, por exemplo, em “papéis de raça” ou “papéis de classe” porque sobre essas categorias as relações desiguais de poder estão muito claras. Brancos não ganham melhores salários, enquanto muitos negros habitam bairros periféricos, porque faz parte do “papel” de cada um na sociedade. O “papel” das mulheres negras não é ser empregada doméstica, assim como o “papel” dos homens brancos não é ser dirigente da sociedade. Seria um desacato – ou melhor, um desastre! – afirmar uma coisa dessas.

Ainda segundo Connell (1995), esse modelo simplifica ao extremo os processos de constituição de homens e mulheres na sociedade, visto que a construção das masculinidades e feminilidades é reduzida à mera assimilação passiva de normas e expectativas e, portanto, tiram o lugar das contradições, das rupturas e, evidentemente, do papel ativo que os sujeitos têm na sua própria socialização de gênero.

Nesta perspectiva, “masculinidade e feminilidade são muito facilmente interpretadas como papéis sexuais internalizados, os produtos de uma aprendizagem social ou da ‘socialização’” (CONNELL, 2005, p. 22, tradução minha). Tal tendência tem como efeito a homogeneização dos homens e das mulheres, pois apenas duas possibilidades de papéis são entendidas. Ora, a grande variedade de homens e mulheres ocupando os mais diversos lugares na sociedade nos mostra que não faz sentido falar em um papel masculino e outro feminino, a não ser que esses sejam “papéis” idealizados.

As múltiplas ocupações, lugares e posições sociais que homens e mulheres ocupam na sociedade invalidam a noção bipolar de que existe um “papel masculino” e um “papel feminino”.

Por mais que a teoria dos “papéis sexuais” tragam atrativos teóricos como o reconhecimento das construções sociais, a articulação entre aspectos estruturais e formação da personalidade, e as possibilidades de mudanças (CONNELL 1987), eles se caracterizam por trazerem compreensões limitadas para a análise sociológica, as quais sinalizam para a sua superação. Existem, de fato, alternativas a essa abordagem. A principal delas é o próprio conceito de masculinidades, o qual surgiu, tal como contextualizam Connell e Messerschmidt (2005), justamente para substituir a noção de “papéis sexuais” e os modelos categóricos de patriarcado que, subscrevem homens e mulheres em uma eterna relação desigual de poder.

A crítica, no entanto, está longe de ser consensual, pois ainda hoje se encontram trabalhos recentes, de diferentes países, que desenvolvem o conceito de “papéis sexuais” sem que ressalvas ou críticas sejam colocadas sobre a mesa. Porém, se quisermos uma teoria social que não traga os equívocos do funcionalismo e que se permita à fluidez, às contradições e ao papel ativo do sujeito, é hora de superar esse conceito.

3 comentários
  1. Boa tarde! Qual a visão de Raewyn Connell sobre o papel ativo das raças nas questões de gênero? Agradeço de coração se alguém puder responder e me enviar artigos dela que falem sobre o tema. Abraços.

  2. E aí, caras.

    Quotei parte do texto de vocês em um dos meus posts. Obrigado!

Ensaie um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: