Que geração é essa que estamos vivendo?

Dizem que é despolitizada, dizem que é bagunceira, dizem que é promissora. A despeito da perspectiva adotada, algo se diz sobre a geração de jovens – entre os quais me incluo – que nasceram entre finais da década de 1980 e início de 90, porque esses mesmos jovens, desde as manifestações do ano passado, conseguiram deixar uma marca na história recente do Brasil. Vale questionar: que jovens são esses? De onde eles vieram? E que marcas eles deixaram ou ainda vão deixar? Neste texto, faço dessa geração de jovens em torno de 20 anos de idade o meu objeto de reflexão.

Sem pretender uma abordagem categórica ou tipológica, procurarei caracterizar minha geração a partir de acontecimentos que marcaram meu amadurecimento e, creio eu, dos meus contemporâneos, sobretudo jovens de classe média oriundos de contextos urbanos. Por mais complicado que seja demarcar os limites de uma geração, posso afirmar, sem receio, que meu tempo de vida se confunde, pelo menos em parte, com o início de um novo intervalo geracional, pelos fenômenos que descrevo abaixo.

A queda do muro de Berlim inaugurou uma nova era na história do mundo. Para nossa geração, foi o que acompanhou nosso nascimento.

A queda do muro de Berlim inaugurou uma nova era na história do mundo. Para nossa geração, foi o que acompanhou nosso nascimento.

Nasci no mesmo ano em que o muro de Berlim caiu. Enquanto usava fraldas, a União Soviética entrava em colapso. Ela deixava de ser uma referência viva e atual nas aulas de história que eu passaria a frequentar anos mais tarde. Em outro plano, o Brasil dava seus primeiros passos dentro do regime democrático. A Constituição de 88, nossa irmã de berço, foi se desdobrando em marcos dessa nova redemocratização. Eram tempos de mudanças, de quebras de paradigmas e de ruptura de velhas ordens. Visto por cima, esse foi o nosso pano de fundo.

Crescemos ouvindo o discurso quase panglossiano de que vivemos no “melhor dos mundos possíveis”. O consolidado capitalismo foi colocado como uma alternativa superior ao comunismo, assim como a democracia com relação à ditadura. Nossos pais e mães – guerreiros e guerreiras – derrubaram o regime militar, modernizaram os costumes, produziram arte popular bastante erudita e, de cortesia, ainda estabilizaram a moeda como último legado para seus filhos e filhas. Mimados pela “nova ordem mundial”, o que nos restou foi navegar na crista da onda, cuidar de nossas vidas, passar no vestibular, curtir a vida digital. Eles lutaram, eles suaram, eles sofreram. Nós, herdamos.

A vitória do Lula nas eleições presidenciais de 2002 trouxe um novo momento para a nação brasileira. Mas, para nós, ainda fazia pouco sentido.

A vitória do Lula nas eleições presidenciais de 2002 trouxe um novo momento para a nação brasileira. Mas, para nós, ainda fazia pouco sentido.

Já na década de 2000, assistimos a dois eventos marcantes que, para crianças entrando na puberdade, ainda faziam pouco sentido: a vitória do Lula nas eleições presidenciais e, um pouco antes, o atentado de 11 de setembro. Recordo-me de estar brincando na casa da minha vizinha quando vi, na televisão e em qualquer canal, aquelas imagens dignas de uma produção de Hollywood. O choque da tragédia nos Estados Unidos contrastava com a celebração da chegada de um operário ao poder. O PT era, sem dúvida, uma referência nacional. Mas não para nós, que nunca tivemos um apego pessoal ao histórico de lutas do partido e nem lembranças das greves do ABC.

Como se não bastasse, ouvíamos com frequência que éramos uma geração despolitizada, acomodada e indiferente. Pois, no plano político, é fato que crescemos sem vislumbrar grandes alternativas, lideranças ou perspectivas. Não conhecemos a tortura, a inflação ou a Guerra Fria. Por outro lado, cabe lembrar que nossos pais e mães tampouco vivenciaram a Segunda Guerra, o fascismo ou a crise de 29. E nem por isso eles negam sofrimentos que possam ter experimentado em sua trajetória de vida. Nós também. Afinal, a década de 1990 e a virada do milênio foram períodos em que a qualidade de vida nas metrópoles se deteriorou intensamente com o aumento da violência urbana e da poluição atmosférica, visual e sonora. Ainda, testemunhamos a precarização das condições de trabalho no mercado que aos poucos temos adentrado, com as reformas na previdência, o florescimento da especulação financeira e imobiliária, as privatizações de serviços públicos e a onda de terceirizações e contratos na forma de pessoa jurídica.

Os jovens de hoje, dentro dessa democracia com ares autoritários, convive com legados que já eram para ter sido eliminados. Tornam, pois, a atual geração mais desconfiada do que lhe foi vendido.

Os jovens de hoje, dentro dessa democracia com ares autoritários, convive com legados que já eram para ter sido eliminados. Tornam, pois, a atual geração mais desconfiada do que lhe foi vendido.

Nesse sentido, somos filhos de uma democracia que nos foi prometida e que, ao mesmo tempo, nasceu deformada. Em tendência oposta ao resgate das eleições diretas e o enterro da censura, as instituições democráticas no Brasil não se fortaleceram como deveriam. Consequência: temos vivenciado, desde cedo, tanto o legado da ditadura que se personifica na atuação policial, na governabilidade autoritária e nas dúvidas sobre o nosso passado, quanto as reformas neoliberais e a degradação ambiental que tornam incerto (e indesejável) o nosso futuro.

Esse contexto é crucial para se compreender um pouco quais são os referenciais de jovens que, como eu, pretendem seguir com o projeto democratizante outrora iniciado, e que têm adotado estratégias como a mobilização via redes sociais, a retomada de passeatas frequentes nas ruas e o reforço desse sonho de se fazer algo. Guardadas as devidas proporções, as Jornadas de Junho de 2013 são o nosso Maio de 68. Independentemente de qualquer vitória ou derrota, foram as manifestações do ano passado que simbolicamente nos deram a esperança de acreditar em nossa geração.

Já dizia Gonzaguinha que é a juventude quem não está na saudade. Em parte, é verdade – essa ideia só não se aplica aos jovens que têm saudade daquilo que nunca viveram, como os partidários do ARENA ou os grupelhos neonazistas. À parte disso, fica a seguinte indagação: se não temos saudade do que existiu antes de nós, até que ponto vai o nosso desapego? Pois em uma democracia capitalista, que nos foi ofertada como uma dádiva, o que se nutre não é um sentimento de apreço ou orgulho, mas a profunda desconfiança em torno do que nos foi ofertado e se isso realmente nos apetece. Parece que não.

Em todo o planeta, mobilizações encampadas por jovens (como nas passeatas na Turquia, na foto) dão o tom dessa década e ilustram quais questionamentos estão sendo pensados e debatidos nas redes socias e nas ruas.

Em todo o planeta, mobilizações encampadas por jovens (como nas passeatas na Turquia, na foto) dão o tom dessa década e ilustram quais questionamentos estão sendo pensados e debatidos nas redes socias e nas ruas.

Fazendo paralelos com o restante do mundo, são os jovens da atualidade que têm impulsionado a maré de movimentos sociais de caráter apartidário e horizontais, conectados por meio das redes sociais e voltados para a ocupação e retomada de espaços públicos, sejam as praças ou as ruas. A juventude, hoje e sempre, é um fenômeno denso e complexo, objeto das mais variadas reflexões – Castells diz que os jovens não acreditam mais nos partidos; Žižek comenta que já chegou ao fim “o casamento da democracia com o capitalismo”; Arantes, há três anos, antecipou que estávamos no início de uma “década quente”, entre outros.

É fato que a nossa geração terá de dar resposta para os dilemas que vieram com o novo milênio. Em âmbito nacional, a questão gira em torno do que fazer com essa democracia. Além disso, os chamados “novos movimentos sociais” (que eram “novos” na década de 60) estão se desdobrando continuamente, abrindo um flanco para outras vozes. Já no contexto internacional, o crescimento socioeconômico do dito Terceiro Mundo tende a colocar em questão a hegemonia euro-americana, dando margem para que velhas configurações de poder, coloniais do jeito que são, sejam alteradas a patamares até então desconhecidos.

Continuamos, porém, sem responder a pergunta que dá título a este texto. Não ouso respondê-la porque é impossível prever as consequências em longo prazo dessa combustão gerada por avanços tecnológicos, manutenção de antigas hierarquias, insatisfação nem sempre canalizada e a incerteza do que mais poderíamos usar para caracterizar esse caldo. Vale reiterar que essa geração de jovens não está isolada e depende tanto dos mais velhos quanto dos mais novos, pois é nesse processo contínuo que se constrói a mudança histórica. A questão é para onde ir e faltam análises para tantos fatos. Na dúvida, é melhor vivê-los.

7 comentários
  1. Leuça disse:

    Excelente análise de um jovem que pensa a metamorfose de seu tempo, sem querer a todo custo firmar uma imagem depreciativa e generalista dos movimentos sociais que se opõem a forma como têm se organizado o capital e os rumos que vêm sendo tomado pela democracia representativa de nosso pais.
    Hoje o movimento passe livre vem sendo associado ao vandalismo, banditismo, PCC, facção violente, quem sabe são vinculados a Asfarc. Incrível como se alinham os que se dizem conservadores e liberais em uma linha requintada de marginalizar a Juventude que tapa o rosto como menos digna de reivindicar. Pena, parecem bandidos. Os meninos Cara Pintada da década de 90, esses sim, fizeram movimentos pacíficos e pintavam a cara de verde-amarelo. O que mudou de lá para cá. Que nova Juventude é essa?
    Parabéns pelo ensaio Adriano

  2. Mameha disse:

    Que ótimo post.❤

    Eu tinha nove anos quando vi, pela televisão, a queda do Muro de Berlim. Lembro que na época, inocente, perguntei por que tanta festa por estarem derrubando um muro? E minha mãe respondeu que o muro era um símbolo de exclusão, pois separa povos, famílias, sistemas, governos.

    Depois, na faculdade, quando estudamos o assunto a fundo, percebi que tinha testemunhado um evento histórico de implicações profundas e que carregou com ele uma esperança de mudanças também profundas pelas democracias pelo mundo. Mas como foi bem dito no texto, essas democracias não amadureceram corretamente. Aquele mundo livre e promissor foi despedaçado, a meu ver, junto com as Torres Gêmeas, em 11 de Setembro, pois ali houve uma amostra do grande descontentamento e mal estar social que existe em várias partes do mundo. E depois disso, vimos como movimentos nacionalistas, de extrema-direita, começaram a pulular em diversas nações, acompanhadas de protestos e movimentos de oposição, como os que temos visto no Brasil.

    Também não consigo ver uma resposta para o período que estamos vivendo… É bastante interessante fazer parte e estar viva para assistir, mas não ouso arriscar linhas futuras.
    🙂

    • Como que é ?
      O Muro de Berlim caiu porque o modo de vida CAPITALISTA DE DIREITA era ,e é ,MUITO superior aos regimes comuno socialistas ,alias, muito legal falar mal da direita ai conectada naquilo que ela criou, queria ver vc voltar pro lado de la do muro socialista

      • Mameha disse:

        Cala a boca, seu otário. Faltou na aula de interpretação de texto e vem encher o meu saco. Se orienta, babaca.

Ensaie um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: